sábado, 25 de janeiro de 2014



São Paulo da garoa! 460 anos!
Na letra da canção feita pelo baiano Tom Zé, no tempo em que São Paulo tinha “só” oito milhões de habitantes, nossa homenagem à grande capital que é de todos nós paulistas, pelo transcurso, hoje, de seus 460 anos! A letra da música serve hoje como Dica do Dia!
Quer ouvir a canção? Clique no site abaixo:


DICA DO DIA
São, São Paulo meu amor
São, São Paulo quanta dor
São oito milhões de habitantes
De todo canto em ação
Que se agridem cortesmente
Morrendo a todo vapor
E amando com todo ódio
Se odeiam com todo amor
São oito milhões de habitantes
Aglomerada solidão
Por mil chaminés e carros
Caseados à prestação
Porém com todo defeito
Te carrego no meu peito
São, São Paulo
Meu amor
São, São Paulo
Quanta dor
São, São Paulo
Meu amor
Salvai-nos por caridade
Pecadoras invadiram
Todo centro da cidade
Armadas de rouge e batom
Dando vivas ao bom humor
Num atentado contra o pudor
A família protegida
Um palavrão reprimido
Um pregador que condena
Uma bomba por quinzena
Porém com todo defeito
Te carrego no meu peito
São, São Paulo
Quanta dor
São, São Paulo
Meu amor
Santo Antonio foi demitido
Dos Ministros de cupido
Armados da eletrônica
Casam pela TV
Crescem flores de concreto
Céu aberto ninguém vê
Em Brasília é veraneio
No Rio é banho de mar
O país todo de férias
E aqui é só trabalhar
Porém com todo defeito
Te carrego no meu peito
São, São Paulo
Meu amor
São, São Paulo
(Tom Zé)

NOTÍCIA DE CAIR O QUEIXO
Uma juíza do Kansas determinou que um homem de 46 anos, que doara sêmen para um casal de lésbicas, pague pensão alimentícia, apesar de as partes terem assinado um documento que aliviava William Marotta das obrigações legais como pai biológico da criança que seria gerada.
Segundo a juíza Mary Mattivi, William e o casal não cumpriram a lei estadual, que exigia a presença de um médico licenciado durante a inseminação artificial. Essa violação, afirmou a magistrada, mantém todos os deveres de William como pai, segundo o "Topeka-Capital Journal".
Em 2009, William respondeu a um anúncio de Jennifer Schreiner e Angela Bauer no site de classificados Craigslist. Um ano depois da doação de sêmen, Jennifer deu à luz.
Só que, pouco depois do nascimento da criança, o casal se separou. Após dois anos, Angela sofreu uma lesão e ficou impossibilitada de trabalhar. Jennifer entrou, então, com pedido de pensão do governo. O pedido foi negado.
O estado do Kansas resolveu recorrer ao pai biológico, pedindo na Justiça que William pagasse pensão para a criança do filho que ele gerara. Venceu a batalha.
(contaoutra.com.br)

AS MANCHETES DOS JORNAIS DE HOJE

Folha de S. Paulo: Argentina facilita a compra de dólar após a moeda subir

O Globo: Contra desconfiança, Dilma vende país de oportunidades

O Estado de S. Paulo: SP: O que esperar nos próximos 40 anos?

Correio Braziliense: Rolezinho fecha shopping, polícia reforça segurança

Estado de Minas: Boates de BH mais seguras, mas ainda há vários riscos

Jornal do Commercio: Olinda tenta conter abusos nas prévias

Zero Hora: A volta do efeito tango? Disparada do dólar na Argentina eleva riscos

QUER MAIS DETALHES DOS PRINCIPAIS JORNAIS BRASILEIROS? CLIQUE NO SITE ABAIXO:


NOTÍCIAS LOCAIS E REGIONAIS

Avião cai em Pratânia e mata três

Morreram no acidente o vice-presidente da Câmara de Suzano, Jessé de Almeida, Rubens Geraldino e Edson Geraldinho

Ontem, no início da tarde, equipes da Força Aérea Brasileira (FAB) e Polícia Militar (PM) localizaram no canavial de uma fazenda de Pratânia (70 quilômetros de Bauru) os destroços do avião civil Explorer, matrícula PR-ZAL, que estava desaparecido desde anteontem de manhã. O acidente provocou a morte do vice-presidente da Câmara  de Suzano, Jessé de Almeida (PR), 43 anos, e dos seus primos Rubens Geraldino, 60 anos, e Edson Geraldino, 44 anos. Segundo a FAB, o avião era experimental e não tinha autorização para sobrevoar áreas povoadas. O corpo do piloto, o empresário Edson Geraldinho, proprietário de uma distribuidora de doces, foi encontrado  somente à noite próximo ao das outras duas vítimas do desastre aéreo.  (leia mais abaixo).
O local da queda da aeronave é de difícil acesso e fica a aproximadamente três quilômetros de Pratânia, na fazenda Santo Antônio de Palmares. Duas testemunhas escutaram o barulho do motor falhando, seguido de um estrondo (leia mais ao lado).
O avião, havia sido adquirido recentemente pelo empresário de Mogi das Cruzes Edson Geraldino, que já tinha o brevê de piloto há algum tempo. Na última quinta-feira a aeronave partiu do Aeroporto Estadual Campos dos Amarais (base de manutenção e serviços da Inpaer, fabricante do avião), em Campinas, com destino a Londrina (PR), e desapareceu durante o trajeto. O último contato do piloto com a torre de controle de tráfego aéreo de Pirassununga ocorreu na quinta-feira, por volta de 10h.
No mesmo dia, 16 militares da FAB iniciaram as buscas pelos destroços do avião. Uma aeronave C-105 Amazonas e um helicóptero H-1H, do Esquadrão Pelicano de Campo Grande, Mato Grosso do Sul, unidade especializada em busca e salvamento, participaram dos trabalhos, coordenados por Curitiba. O Helicóptero Águia, da PM, auxiliou na operação. Ontem, por volta das 12h15, as equipes encontraram os destroços do avião e os dois corpos das vítimas esfaceladas.
No local do acidente, a equipe de reportagem do JC apurou que uma das asas do avião ficou a cerca de dois quilômetros de distância dos demais destroços.
Pelas marcas da queda e da distância de um dos corpos do restante do avião, uma das vítimas, no desespero, teria pulado do avião no ar, antes do monomotor  atingir o solo, segundo informação da polícia.

Agricultor escutou pane do motor
O acidente aconteceu no momento em que forte temporal atingia a região de Botucatu. A aeronave sobrevoava a zona rural do município de Pratânia, quando houve a queda. Moradores de sítios escutaram o forte barulho de algo vindo do céu e se chocando com a terra.
“Estava chovendo e ventando forte. Escutamos o som de um motor falhando, vindo do céu e depois um grande barulho de impacto (de algo) no chão. Não teve explosão, nem fogo, devido a quantidade de chuva”, lembraram ao JC o agropecuarista Claudinei Pascoal, 40 anos, e o dono de um sítio vizinho, Francisco Aparecido de Araújo.
Eles auxiliaram nas buscas para retirar parte da fuselagem do avião enterrada no solo. Foi necessário ajuda de um trator para içar os destroços do pequeno avião.
O temporal pode ter sido o fator que determinou a queda do avião, mas o caso será investigado pela Polícia Civil.
O prefeito de Pratânia, Roque Joner (PR), também colaborou com as equipes no local do acidente e disponibilizou o trator que retirou os pedaços do monomotor de dentro do canavial.

Polícia Civil vai apurar acidente
As investigações sobre a queda da aeronave serão conduzidas pela Polícia Civil, de acordo com informação do tenente-coronel Da Silva, do Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa).
Por meio de nota, a assessoria de imprensa da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) informou que o monomotor, modelo Explorer, tinha caráter experimental, ou seja, não era certificado pela Anac, apenas registrado. “Por seu caráter experimental, suas operações são limitadas, tais como não sobrevoar aéreas povoadas, dentre outras”, explica.  Ainda de acordo com a Anac, pelo Regulamento Brasileiro de Homologação Aeronáutica, esse tipo de voo não poderia transportar pessoas ou bens com fins lucrativos.
“Devido ao caráter experimental da aeronave e esta não cumprir com os requisitos padrão de aeronavegabilidade, como uma aeronave certificada, os praticantes destas atividades devem estar cientes de que, ao pilotar uma aeronave experimental ou fazer parte do voo, assumem inteira responsabilidade pelos danos que esta prática possa causar a si, a terceiros ou a seus bens”, declara. A PM encontrou R$ 2.700,00 em dinheiro espalhados pelo monomotor e dentro de um envelope, juntamente com os planos de voo, que foram recolhidos para a perícia.
Último corpo
O corpo de Edson Geraldino foi encontrado somente ontem à noite. Inicialmente, durante as buscas à tarde, suspeitava-se que ele estivesse debaixo dos destroços do avião, mas com a retirada de parte da fuselagem só foi encontrado um braço separado do corpo.
Após intensas buscas, com auxílio do helicóptero da FAB, e depois de varredura feita pelas equipes de salvamente foi achada a terceira vítima.
Os corpos do vereadore Jésse de Almeida e Rubens Geraldinho já tinham sido localizados no início da tarde.
O parlamentar estava no primeiro mandato como vereador em Suzano. Empresário do ramo imobiliário, ele foi eleito pelo Partido da República, em 2012, com 1.273 votos. Paranaense, deixa esposa Maely e dois filhos: Nicolas e Ebraim.
O velório do  vereador será hoje no Ginásio de Esportes Paulo Portela, na rua Barão de Jaceguai, nº 375, em Suzano.

(Bruno Freitas, com Ana Borges, Paola Patriarca e Lilian Grasiela/Especial para o Jornal da Cidade, de Bauru)
Quer mais informações? Acesse o site da Rádio Clube AM ou o do jornal O Debate:



sexta-feira, 24 de janeiro de 2014



Inflação continua preocupando
Ata da reunião da semana passada do Copom indica que a permanência da inflação em um nível acima do esperado deve levar o Banco Central a aumentar novamente a taxa básica de juros em fevereiro. Na semana passada, os juros foram elevados de 10% para 10,5% ao ano. Analistas apostam em Selic de até 11,25% no final de 2013. Em Davos, no Fórum Econômico Mundial, o ministro Guido Mantega (Fazenda) disse que “o controle da inflação continuará sendo prioridade do governo sempre”.

DICA DO DIA
Somar é a primeira operação matemática que se aprende, a que temos mais facilidade e que gostamos mais.
Primeiro a gente gosta de somar várias vezes palitos e giz, depois brinquedos e roupas da moda, depois somar dinheiro, depois somar carros e casas, e sempre somar alegria e felicidade. Isto já é multiplicação, que também é fácil de aprender, é só somar várias vezes a mesma coisa.
A Segunda operação que aprendemos é a subtração. Aí começa a ficar estranho. Principalmente quando tem que pedir emprestado na casa do vizinho, digo, casa decimal ao lado. Ninguém gosta mais de diminuir do que somar.
Quando chega na divisão é quase um desespero, ainda mais quando sobra um resto. É que ninguém entende aonde ou pra quem vai ficar o resto. Até no cotidiano ninguém gosta de dividir nada. A dificuldade no aprendizado não parece à toa, o homem rejeita essa prática.
Quando o homem aprender a dividir corretamente e saber onde deve ficar o resto, entenderá que é o mesmo que somar para alguns, mantendo a quantidade de outros, sem necessariamente subtrair de alguém, ou seja, é o mesmo que somar igual para todos; entenderá também que somando os restos teremos mais um inteiro divisível, fazendo outros felizes. O resultado final também é uma soma, a soma da felicidade geral. Poderíamos até chamar esta operação de soma distribuída.
Com esta visão, com certeza a matemática daria mais resultados, talvez fosse dispensável aprender contas de dividir e os homens continuariam felizes a somar palitos, brinquedos, dinheiros, carros, casas e felicidade, porém não somente para si. Quem sabe?
(De Odylanor Havlis)

NOTÍCIA DE CAIR O QUEIXO
Um senhor de 81 anos de Jönköping, na Suécia, ficou surpreso após ler o próprio obituário em um jornal local, depois que sua irmã se enganou em um telefonema com os médicos e acreditou o que homem havia morrido.
Sven-Olof Svensson foi levado ao hospital na noite de Natal após se sentir mal e, de acordo com o jornal sueco “The Local”, a irmã de Sven, que tem 90 anos, interpretou errado uma conversa por telefone que teve com os médicos que atendiam o senhor.
Achando que o irmão havia partido, a senhora chamou uma amiga e rapidamente escreveu um obituário, que foi publicado no jornal local “Jönköpings-Posten”. O senhor, que já tinha lido o jornal no dia seguinte, levou o erro com bom humor, e conversou com a irmã quando ela foi buscar os itens pessoais do sueco, e se espantou ao ver que ele ainda estava na cama do hospital.
Rindo da situação, Svensson até chamou um repórter do jornal local para que fosse publicada uma “continuação” da reportagem, corrigindo o erro. “Todos vamos pela mesma estrada. Cedo ou tarde você acaba na seção de obituários. Vivi uma vida fantástica, tenho 81 anos e não posso reclamar da minha idade”, declarou Sven.
Ao final, o senhor chegou até a citar o escritor Mark Twain, que foi vítima de dois boatos a respeito de sua morte, sendo um deles publicado em forma de obituário em um jornal. “Os rumores de minha morte foram muito exagerados”, finalizou Svensson.
(contaoutra.com.br)

AS MANCHETES DOS JORNAIS DE HOJE

Folha de S. Paulo: Na Argentina, peso registra maior queda desde 2002

● O Globo: Burocracia retarda 79% das exportações industriais

O Estado de S. Paulo: Ação na Cracolândia abre crise entre Prefeitura e Estado

Correio Braziliense: Casados na saúde, nos negócios e no ministério

Valor Exonômico: Argentina enfrenta crise cambial

Estado de Minas: Um alívio passageiro

Jornal do Commercio: Mais orientadores nas ruas do Recife

Zero Hora: Transporte aéreo na Copa – Preço de passagens cai até 86%

Brasil Econômico: BC indica freio na alta dos juros

QUER MAIS DETALHES DOS PRINCIPAIS JORNAIS BRASILEIROS? CLIQUE NO SITE ABAIXO:


NOTÍCIAS LOCAIS E REGIONAIS

Chuva mais forte do mês causa alagamentos, estragos, sustos e caos em Bauru

Menos de duas horas de chuva bastaram para transformar a manhã de ontem em um verdadeiro caos para muitas famílias em Bauru. Num mês até então marcado pela seca, o temporal, que começou das 6h15 às 7h30 e seguiu com intervalos até as 9h, provocou uma onda de estragos por toda a cidade. Por pouco, não houve mortes.
A média histórica previa 290 milímetros de chuva para janeiro em Bauru, mas até ontem os registros do mês não superavam 80,3 milímetros – os 24,1 milímetros de precipitação ontem, no entanto, já foram suficientes para promover uma série de estragos.

Acidentes, carros e ônibus submersos, pessoas sendo resgatadas em meio ao rio que se formou nas avenidas Nações Unidas e Nuno de Assis, trem descarrilado, casa e veículo destruídos por raios, desabamentos, erosões, rios transbordados e alagamentos registrados em vários bairros. 

Só no Pousada da Esperança cinco famílias ficaram desalojadas, após suas residências serem invadidas por enxurrada e lama e terem as estruturas danificadas (leia mais na página 11). Ao todo, 15 pessoas foram levadas para hotéis sociais custeados pela Secretaria Municipal do Bem Estar Social. De acordo com a Defesa Civil, outras famílias também ficaram desabrigadas na favela São Manoel.

O fenômeno, apesar de esperado durante o verão, surpreendeu pela intensidade.

“O temporal veio da região oeste e não da sul e sudeste, como sempre acontece. A chuva começou na região do Geisel e passou por toda a cidade, danificando algumas vias públicas e residências. Era um cenário para ter morrido gente. O que aconteceu hoje aqui era para ter deixado entre 100 e 150 famílias desabrigadas”, avalia o coordenador da Defesa Civil, Álvaro de Brito.

Do sonho ao pesadelo

Era por volta das 6h30 quando Lucilene Sanches Gonçalves, de 38 anos, atualmente desempregada, viu seu sonho da casa própria se transformar em pesadelo.

Moradora da quadra 1 da rua Aviador Gomes Ribeiro, na Vila Santa Isabel, Lucilene acordou, literalmente, com os pés na lama. 
A casa em que ela mora com as filhas de 12 e 13 anos, financiada pela Caixa Econômica Federal há dois anos, estava tomada pela água da chuva e de um córrego que transbordou nas imediações da linha férrea. 

“Tive que colocar cobertores e móveis nas portas para conter a força da água. Foi um desespero. A água chegou a quase um metro. Perdi tudo, vários móveis e materiais de construção”, conta, chorando, a mulher.

“Eu não comprei um rio, comprei uma casa que vou continuar pagando pelos próximos 23 anos. Só queria viver com dignidade, afinal pago todos os meus impostos em dia. E ainda estou pagando a geladeira e os móveis que tive que comprar depois chuva no ano passado. Agora, perdi tudo outra vez, não sei o que vou fazer”, completa Lucilene.

A desempregada mostra uma solicitação indeferida pelo Departamento de Água e Esgoto (DAE) para implantação de bocas de lobo na rua em questão, que em março de 2013 também sofreu com alagamento.

(Veja matéria completa no Jornal da Cidade, de Bauru) – jcnet.com.br)
Quer mais informações? Acesse o site da Rádio Clube AM ou o do jornal O Debate:



quinta-feira, 23 de janeiro de 2014



MCerveja com sabor de mel e frutas
O conceito do que é cerveja está prestes a mudar oficialmente. Ontem, o Ministério da Agricultura abriu consulta pública, por 60 dias, para um texto que deverá incluir dentro da categoria produtos que tenham em sua composição também “sabores” como mel, frutas, ervas e até leite.
(Jornal da Cidade, de Bauru)

DICA DO DIA
Se tudo na vida é relativo, relativa também é a idéia que cada um faz da felicidade. Para uns, felicidade é dinheiro no bolso, cerveja na geladeira, roupa nova no armário. Para outros, a felicidade representa o sucesso, a carreira brilhante, o simples fato de se achar importante (ainda que, na verdade, as coisas não sejam bem assim).
Para outros tantos, ser feliz é conhecer o mundo, ter um conhecimento profundo das coisas da Terra e do Ar.
Mas, para mim, ser feliz é diferente... Ser feliz é ser gente, é ter vida! É como dizia o poeta: “É bonita, é bonita, é bonita...”
Felicidade é a família reunida; é viver sem chegada, sem partida; é sonhar, é chorar, é sorrir... Felicidade é viver cercado de amor, é plantar amizade, é o calor do abraço daquele amigo que, mesmo distante, lembrou de dizer “Alô”.
Ser feliz é acordar às cinco da matina, depois de ter ido dormir às três da madrugada, com sono e pra lá de cansado, só pra dar uma pontinha da cama para o filho dormir.
Ser feliz é ter violetas na janela, é chá de maçã com canela, é pipoca na panela, é um CD bem "mela-mela" para esquentar o coração.
Ser feliz é curtir sol radiante, o frio aconchegante, a chuvinha ou o temporal. É enxergar o outro (e sabe-se lá quantos outros que cruzam nossa estrada).
Ser feliz é fazer da vida uma grande aventura, a maior loucura, um enorme prazer. É ser amigo, mas, antes de tudo, é ter amigos, os mais fiéis que puder!
(diabetenet.com.br)

NOTÍCIA DE CAIR O QUEIXO
Um trio de americanos de Las Vegas, nos EUA, quebrou um recorde mundial ao ficar 87 horas assistindo TV, durante uma maratona que durou 5 dias. O feito foi registrado em vídeo durante a CES 2014, a maior feira de eletrônicos do mundo, realizada na cidade.
De acordo o Guinness, Dan Joran, Chris Laughlin e Spencer Larson ficaram diante da tela sem parar, e tinha direito a fazer rápidos intervalos de 5 minutos para tirar cochilos ou ir ao banheiro, tudo sob o olhar dos jurados.
Havia também médicos no local para realização de checkups regulares para evitar grande riscos à saúde e, por mais que fosse permitido trocar de canal, a organização não permitiu que os participantes lessem ou falassem ao telefone durante o recorde.
Após o fim da maratona e a superação do recorde anterior, que era de 86 horas, os três americanos ganharam R$ 11 mil cada um e outros prêmios, incluindo aparelhos eletrônicos e um ano de assinatura de um canal de TV por streaming.
(contaoutra.com.br)

AS MANCHETES DOS JORNAIS DE HOJE
Folha de S. Paulo: 82% dos paulistanos são contra ‘rolezinhos’
 O Globo: Caos no transporte
O Estado de S. Paulo: Barbosa ataca colegas que não decretaram prisão de João Paulo
Correio Braziliense: O milagre
Valor Econômico: Chineses são os favoritos no linhão de Belo Monte
Estado de Minas: Notícias de um país surreal
Jornal do Commercio: Feras contam os minutos
Zero Hora: 14 mil na fila por consulta com ortopedista na Capital
Brasil Econômico: Refeição fora de casa ainda vai pressionar a inflação
QUER MAIS DETALHES DOS PRINCIPAIS JORNAIS BRASILEIROS? CLIQUE NO SITE ABAIXO:


NOTÍCIAS LOCAIS E REGIONAIS

Tietê será monitorado por ‘drone’
Concessionária investe R$ 200 mil em avião de pequeno porte para fiscalizar Áreas de Preservação Permanente (APP)

Para assegurar a preservação das bordas de seus reservatórios, a AES Tietê, braço da geração e comercialização de energia do grupo AES Brasil, investe em alta tecnologia. Um drone ou Veículo Aéreo Não Tripulado (Vant) sobrevoará as áreas da empresa em busca de possíveis mudanças de relevo, ocupações e desmatamentos. A companhia investiu R$ 200 mil no dispositivo, que entra em operação ainda neste semestre.
Guiado por GPS e satélite e voando a 500 metros de altura, o veículo terá capacidade de tirar fotos em alta resolução de áreas de difícil acesso e será um aliado na preservação ambiental. Regiões alagadas, brejos, encostas ou locais com outros empecilhos serão monitorados com muito mais rapidez e agilidade. “Às vezes, com uma equipe de barco ou caminhonete, levamos um dia ou mais para acessarmos e avaliarmos riscos ambientais de uma área. Com o Vant, conseguiremos realizar a inspeção em poucos minutos e sem dificuldades”, afirma o diretor geral da Geração da AES Tietê, Ítalo Freitas Filho.
O veículo sobrevoará o local escolhido, mapeará o solo e identificará mudanças de relevo, construções, desmatamentos, entre outras alterações. “A definição das fotos é extremamente precisa e faz um retrato fiel das áreas de interesse. Dessa forma, temos mais agilidade na tomada de decisão para combater irregularidades”, diz Freitas Filho.
A ação faz parte da Gestão dos Reservatórios da geradora, que tem como objetivo mapear e regularizar ocupações e construções atendendo todas as legislações ambientais; realizar controle de erosões nas margens dos rios para preservar os reservatórios; verificar a preservação das matas ciliares e analisar o assoreamento dos reservatórios e identificar áreas de reflorestamento.
Com apenas 0,7 kg e pouco menos de um metro de diâmetro, o dispositivo voa a 57 km/h e resiste a ventos laterais de até 45 km/h. Além de GPS e satélite, o equipamento também conta com rádios transmissores e câmera fotográfica de 16MP. Cada voo dura, em média, 45 minutos, tempo suficiente para cobrir uma área de 10 km².
A decolagem é feita com impulso manual e são necessários apenas cinco metros de área livre para realizar a manobra. O pouso é feito automaticamente no mesmo local da decolagem.
A AES Tietê conta com um parque com capacidade para gerar 2.658 MW e opera nove usinas hidrelétricas e três pequenas centrais hidrelétricas (PCHs) no Estado de São Paulo. A empresa responde por 12% da capacidade instalada no Estado e 2,3% no Brasil.
O que é drone
Um Veículo Aéreo Não Tripulado (VANT) também chamado UAV (do inglês Unmanned Aerial Vehicle) é mais conhecido como drone (zangão, em inglês), é todo e qualquer tipo de aeronave que não necessita de pilotos embarcados para ser guiada. Esses aviões são controlados a distância por meios eletrônicos e computacionais, sob a supervisão e governado por humanos, ou sem a sua intervenção, por meio de Controladores Lógicos Programáveis (CLP).
Os drones foram idealizados para fins militares. Inspirados nas bombas voadoras alemãs, do tipo V-1, e nos inofensivos aeromodelos rádio controlados, estas máquinas voadoras de última geração foram concebidas, projetadas e construídas para serem usadas em missões muito perigosas para serem executadas por seres humanos, nas áreas de inteligência militar, apoio e controle de tiro de artilharia, apoio aéreo a tropas de infantaria e cavalaria no campo de batalha, controle de mísseis de cruzeiro, atividades de patrulhamento urbano, costeiro, ambiental e de fronteiras, atividades de busca e resgate, entre outras.
Atualmente, os drones são usados também para fins não militares.
(Jornal da Cidade, de Bauru)
Quer mais informações? Acesse o site da Rádio Clube AM ou o do jornal O Debate: