terça-feira, 30 de agosto de 2016


EM DIA COM AS NOTÍCIAS

Gildo Sanches

 

COMEÇA JULGAMENTO

Nove meses depois de a Câmara abrir o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, o Senado iniciou nesta sexta-feira o julgamento final da petista no mesmo plenário onde Fernando Collor foi cassado há 24 anos. O capítulo decisivo, que começa com o depoimento de testemunhas, deve terminar na terça ou quarta que vem. Certo de que Dilma será condenada, auxiliares do presidente interino, Michel Temer, já preparam sua posse.

 

SEGUNDO PLANO

Dilma Rousseff começa a ser julgada por crime de responsabilidade. Ela perderá o mandato se pelo menos 54 dos 81 senadores a considerarem culpada por editar decretos de suplementação orçamentária sem aval do Congresso. Mas, na véspera do início do julgamento, outro tema monopolizou o Senado: reajustes para o funcionalismo. Tasso Jereissati, do PSDB, e Ronaldo Caiado, do DEM, ameaçaram com a saída dos partidos da base governista caso Michel Temer não defina posição.

 

CLIMA TENSO

O clima pesou após Renan Calheiros (PMDB-AL) anunciar que o projeto que eleva salários no STF será votado dia 8. “O governo e seu partido, que é o PMDB, precisam assumir sua posição: se é governo ou se quer fazer graça para alguns”, disse Jereissati. “Estou fora se continuar assim. Não vou compactuar com uma farsa dessa. Ou o governo tem coragem de assumir e dizer o que quer, ou estou fora”, afirmou Caiado.

 

FRUSTRAÇÕES

Na Olimpíada que terminou no domingo, com saldo amplamente positivo para os esportes e para o Rio de Janeiro, a quantidade de imprevistos frustrou muitas previsões. Apontando para questões ambientais, de mobilidade urbana e de violência, os videntes mais cruéis, especialmente estrangeiros, deram declarações à imprensa condenando os Jogos de 2016 ao fracasso.

 

RETRATAÇÃO

O saldo das três semanas de competição calou essa turma – da qual se espera a devida retratação. Aliás, o mesmo deveriam fazer outros autores de frases desastradas. É o caso do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal. Na quarta-feira 17, ele afirmou que a Lei da Ficha Limpa “parece ter sido feita por bêbados”.

 

CONDUTA MAIS COMEDIDA

Claro que muita gente imagina, com razão, que a certas autoridades cabe conduta mais comedida. Mas, considerando o comportamento de alguns juízes de nosso Supremo frente aos holofotes é realista concluir que essa vaca já foi para o brejo. Mendes poderia enxergar a Ficha Limpa por lente oposta, destacando mais suas qualidades do que eventuais imperfeições.

 

COERÊNCIA

Seria um ato de coerência do magistrado. Não só porque aquele texto legal nasceu de amplo movimento popular contra políticos que delinquem com dinheiro público, mas porque decisões do TSE, que o próprio Gilmar preside e onde bêbados não julgam, já deram integral respaldo à mesma Lei.

 

MULTA

O MPF pediu a condenação de João Santana e Mônica Moura, marqueteiros de campanhas da presidente afastada Dilma Rousseff e do ex-presidente Lula, pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Também foram pedidos bloqueio de R$ 795 milhões de bens do casal e multa de R$ 1,5 bilhão.

 

OPINIÃO

Um dia após o ministro do STF Gilmar Mendes criticar a Lava Jato, associações de juízes e procuradores divulgaram nota defendendo a operação. “É lamentável que um ministro do STF milite contra as investigações com a intenção de decretar seu fim”, disse a Associação dos Magistrados Brasileiros.

 

MERCEDES OFERECE PDV

Após acordo com sindicato, a Mercedes- Benz abriu programa de demissões no qual oferece R$ 100 mil a quem se voluntariar. São esperadas 1,4 mil adesões.

 

TAXA DE FISCALIZAÇÃO

O governador em exercício do Rio, Francisco Dornelles, sancionou mais um aumento de imposto. A taxa de fiscalização ambiental cobrada de empresas que trabalham com atividades potencialmente poluidoras subiu 150%. Desde dezembro, para reduzir o rombo no orçamento, o estado elevou alíquotas de ICMS, IPVA e do imposto sobre heranças.

 

REBAIXADO

O pacote de ajustes que previa corte de custos e venda de imóveis, anunciado em junho, porém, ainda não deslanchou. O número de comissionados, por exemplo, não caiu em um ano. A Standard & Poor’s rebaixou a nota de crédito do estado.

 

TERREMOTO NA ITÁLIA

O terremoto de 6,2 graus na escala Richter que atingiu o centro da Itália por volta das 3h30 de sexta-feira (hora local) deixou mais de 200 mortos na região de Úmbria, a cerca de 150 km de Roma. O número deve subir, pois há muitos soterrados. A área é sujeita a tremores – há seis anos, a tragédia de L’Aquila matou mais de 300. Desta vez, cidades como Amatrice, Accumoli e Pescara del Tronto foram destruídas. A terra tremeu por 138 segundos. Várias estradas foram bloqueadas, o que dificultou o socorro. O prefeito de Amatrice, Sergio Pirozzi, definiu a situação como “carnificina”. O vilarejo de 2,5 mil habitantes estava cheio de turistas por causa de um festival gastronômico. Há alerta vermelho para novos tremores.

 

INVESTIGAÇÃO

Governo Michel Temer tem informações de que procuradores tentaram investigar, além do ministro Dias Toffoli, assessores e familiares de outros dois membros da corte. Um racha entre procuradores ligados a Rodrigo Janot, em Brasília, e a força-tarefa em Curitiba pode esclarecer uma das origens do vazamento da citação a Dias Toffoli na pré-delação da empreiteira OAS.

 

PAZ NA COLÔMBIA?

Governo e Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) concluíram o texto do acordo de paz discutido havia quatro anos e que encerrará 52 anos de conflito civil, informa a enviada a Bogotá, Sylvia Colombo (FOLHA DE S.PAULO). O presidente Juan Manuel Santos marcou para 2 de outubro o plebiscito em que a população decidirá se aprova o documento.

 

POR UNANIMIDADE

Foi por unanimidade que os seis juízes da Corte Interamericana de Direitos Humanos decidiram na Costa Rica que o órgão não opinará sobre o processo de impeachment de Dilma Rousseff. Uma derrota para o secretário-geral, Luis Almagro, que forçava muito a barra por um pronunciamento. Os magistrados foram além, ao considerar que a situação de Michel Temer está em vias de ser resolvida, pelo Senado brasileiro.

 

MAMÃE E QUERO

A OAB de Sergipe inaugura a ”sala da mamada” na quarta-feira (dia 6). Funcionará dentro do Fórum da Justiça Federal. Atenderá as necessidades das advogadas lactantes, que não são poucas, e seus bebês naturalmente. “Espero que o espaço vire referência nacional” diz o presidente da seccional, Henri Clay Andrade.

 

 

Crônica

No mundo da música caipira

Gildo Sanches

O telefonema que recebo é de Piracicaba. Do outro lado da linha estava meu amigo Amando Saglietti (já falecido), um são-manuelense que há muito tempo deixou a terrinha e mudou-se para aquela cidade à beira do rio Piracicaba. Fomos colegas de Banco Brasul de São Paulo S.A., mas não chegamos a trabalhar na mesma agência juntos. Quando eu ingressei em São Manuel ele havia sido transferido. Membro da tradicional família Saglietti, irmão do professor Lino, Amando também foi locutor da Rádio Clube de São Manuel por muitos anos. Apresentou o programa “Sociais”, ainda hoje no ar por aquela emissora, nos anos 40, começo dos anos 50.

Vez em quando nos falávamos por telefone. Amando guardava São Manuel no coração, com saudade da terra, dos amigos, da vida de bancário aqui, das jornadas como locutor de rádio. Caipira como eu, deixou São Manuel mas permaneceu na região, porque Piracicaba faz como que um vértice de um triângulo, com São Manuel e Tietê, ou Tatuí, onde está entranhada a cultura caipira. Tanto que Cornélio Pires, um pioneiro do gênero, nasceu em Tietê, assim como Tonico e Tinoco nasceram aqui no nosso pedaço, São Manuel- Pratânia.

Nesse telefonema de agora ele me conta, entusiasmado, que esteve assistindo a uma palestra proferida lá em Piracicaba pelo consagrado jornalista José Hamilton Ribeiro, que falou, entre outros assuntos, de seu livro mais recente, intitulado “Música Caipira – As 270 maiores modas de todos os tempos”. A satisfação de Amando Saglietti era também pelo fato de ter sido mencionado pelo escritor o nome de um livro que eu escrevi, entre as obras pesquisadas para compor o “Música Caipira”. O livro “Tinoco, Um Herói do Sertão” consta da bibliografia do livro de José Hamilton. Claro que eu fiquei feliz com a notícia que ele me transmitiu, e satisfeito por novamente poder falar com um amigo que não vejo pessoalmente há tanto tempo.

Vale acrescentar que o autor, José Hamilton Ribeiro, é o apresentador do programa “Globo Rural”, um dos mais antigos da grade da Rede Globo de Televisão. Ele escreve também para a revista do mesmo nome e tem no currículo feitos impressionantes. Nascido na cidade paulista de Santa Rosa do Viterbo e repórter por vocação, com 40 anos de profissão, Zé Hamilton, como é mais conhecido, ainda mantém a mesma obstinação e o prazer pela busca da notícia.

Ao longo de sua carreira esteve à frente da criação da revista “Realidade”, que se tornou um paradigma do jornalismo brasileiro, e da “Quatro Rodas”. Como correspondente de guerra, pela “Realidade”, foi atingido por uma mina e perdeu uma perna. Trabalhou na “Folha de S. Paulo”, “Globo Repórter”, “Fantástico” e está no Globo Rural há vinte anos, exercendo as funções de repórter e editor. Considerado um dos maiores jornalistas deste país, Zé Hamilton já ganhou inúmeros prêmios. Somente o Prêmio Esso, ele o recebeu sete vezes.

Autor de vários livros, Zé Hamilton lança o “Música Caipira”, contando histórias desse gênero musical desde os tempos do descobrimento do Brasil. “Havia músicos na caravana de Cabral e, como a viola era moda na Portugal da época, cabe supor que os tripulantes trouxessem uma”, escreve ele no início da bonita obra, que depois envereda pela história da canção sertaneja no Brasil e destaca autores e cantores, com pequenos trechos das letras das músicas e detalhes interessantes de mais de duas dezenas de modas de viola e outros ritmos que encantam a muitos de nós.

 

 

 

 

 

EM DIA COM AS NOTÍCIAS

Gildo Sanches

 

CASSAÇÃO DE CUNHA

Depois de longa indefinição, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), marcou a votação do processo de cassação do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) para 12 de setembro, após a conclusão do processo de impeachment de Dilma Rousseff. Maia deu uma série de justificativas para adiar a votação. A decisão agradou a aliados do presidente interino, Michel Temer, preocupados com a possibilidade de uma reação vingativa de Cunha influenciar o desfecho do impeachment. Criticado, o presidente da Câmara disse que o prazo respeita a média histórica do Parlamento.

 

PREOCUPAÇÃO COM O TSE

Diante do iminente impeachment de Dilma Rousseff, o presidente interino, Michel Temer, volta as atenções ao processo de cassação da chapa no TSE. A aliados de Temer, o ministro Gilmar Mendes disse ser pouco provável que ele seja julgado isoladamente.

 

CRITICAS

Em reunião com o ministro Henrique Meirelles (Fazenda), empresários criticaram a retirada de contrapartidas na renegociação da dívida dos estados. Para ele, porém, o teto para gastos é mais importante.

 

INFLAÇÃO

A quebra de safra encareceu produtos importantes da cesta básica do brasileiro. Arroz, feijão e leite foram alguns dos itens que mais pressionaram o orçamento familiar em julho. A taxa de inflação acelerou para 0,52%, ante 0,35% em junho, segundo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Apenas neste ano, os alimentos já ficaram 8,79% mais caros. Em julho, foram responsáveis por 65% da inflação. Analistas esperam mudanças no segundo semestre, embora a pressão dos alimentos em julho sugira que a revisão para baixo das expectativas de inflação será mais lenta.

 

TENDÊNCIA DE QUEDA

 “A tendência é de queda. A apreciação do real e a atividade ainda fraca devem levar a uma trajetória de desaceleração nos próximos meses mais forte do que a observada na primeira metade do ano”, avalia o economista Luiz Fernando Castelli. O IPCA acumulado em 12 meses desacelerou de 8,84% em junho para 8,74% em julho, patamar ainda distante da meta do governo, de 4,5%.

 

META DESCUMPRIDA

Faltando mais de quatro meses para o fim do ano, as contas do governo já estão no limite. Segundo o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, a programação orçamentária para este ano já atingiu saldo negativo de R$ 169 bilhões, dos R$ 170,5 bilhões previstos na meta fiscal deficitária de 2016. Apesar de a estimativa de rombo ser bem maior do que a projetada pela equipe de Dilma Rousseff, o mercado já aposta no descumprimento da meta.

 

PREJUÍZO DO BNDES

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social deve anunciar prejuízo de cerca de R$ 2,5 bilhões no primeiro semestre. Será o primeiro no período desde 2003.

 

ATAQUE EM FAVELA

Integrantes da Força Nacional de Segurança foram baleados por criminosos, após entrarem por engano, com um carro da corporação, na Vila do João, comunidade dominada por traficantes no Complexo da Maré, na zona norte do Rio. O soldado Hélio Andrade, da Polícia Militar de Roraima, ficou gravemente ferido e um oficial foi atingido por estilhaços. O ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, prometeu resposta.

 

SEM ABALO

Os sorrisos do marqueteiro do PT João Santana e de sua mulher e sócia, Mônica Moura, na segunda-feira 1º, podem indicar  que o casal preso desde fevereiro, na 23ª fase da Lava Jato, não se abalou com a temporada na prisão. E ganharam a liberdade com o pagamento da fiança recorde de R$ 30 milhões. Nos meses de cadeia, eles admitiram o recebimento de US$ 4,5 milhões de caixa 2 na campanha de Dilma, em 2010, que mentiram nos interrogatórios e negociam delação. Seguem réus por corrupção e lavagem de dinheiro. Embora o aspecto simbólico da fiança fixada pelo juiz Moro seja inquestionável é bom que os brasileiros comecem a se deparar com punições dessa robustez.

 

SOLTOS PROVISORIAMENTE

A corrupção no Brasil correu solta ao longo da história, sem haver punição rigorosa. Foi um maná para políticos, donos de empreiteiras e lobistas. Contudo, importante frisar que Mônica e João Santana foram soltos provisoriamente. Podem inclusive ser multados em valor maior que a fiança e perder patrimônio. O que receberam foi só um alívio diante da primeira confissão – que lhes permite tomarem café e almoçar com a família.

 

NÃO PODE

Caiu por terra o mandado de segurança impetrado pela Confederação de Voo Livre do Brasil contra a restrição no espaço aéreo do Rio para a segurança dos Jogos Olímpicos, Em vigor de 24 de julho a 22 de agosto, a medida não sofreu críticas de empresas aéreas. Porém, teve resistência dos donos de parapentes e asas deltas, que queriam faturar com vôos panorâmicos nos dias dos Jogo. O desembargador Ricardo Perlingeiro, do TRF da 2ª Região, acolheu os argumentos da AGU.

 

FELICIDADE

Em que pese o vai e vem em relação ao projeto de reneg0ociação das dívidas estaduais com a União, Michel Temer tem dito a interlocutores que a sua equipe econômica é digna de medalha olímpica. Apesar de não ser fã de esportes. A cada pesquisa que aponta melhoria no ânimo dos brasileiros, ainda que pequena, o presidente sorri. E espera que as sucessivas derrotas do Governo no Congresso terminem quando Dilma Rousseff for de vez afastada.

 

A MMISSÃO
Envolvido até o pescoço com o saneamento da estatal, Pedro Parente declarou na semana passada que a Petrobrás precisa de estabilidade para empreender seus negócios. Referia-se à crise da Lava Jato, que chamou de horroroso espetáculo da corrupção. A par das ações do juiz Sérgio Moro, a empresa luta para recuperar na Justiça o que perdeu com a corrupção praticada por ex-funcionários.

 

FRUSTRAÇÃO
As reclamações contra a Vila Olímpica e a organização dos Jogos, comandada por Carlos Arthur Nuzman, aumentaram no Rio de Janeiro. Chefes de delegações e atletas estão aborrecidos por não acharem muitos “Pokémons” na área. O jogo fenômeno para smartphones foi lançado em 6 de julho no exterior e estreou no Brasil, oficialmente, na quarta-feira (dia 3). O neozelandês Eric Murray, que vai disputar provas de remo, em seu Instagram chegou a suplicar que trouxessem ginásios de Pokémon para a Vila.

 

VISITAS

Quando no comando do Ministério do Trabalho, Francisco Dornelles tinha o hábito de visitar com frequência municípios do Estado do Rio nos finais de semana. “Não quero ouvir queixas de que fiquei esnobe depois de virar ministro” repetia. Desde março governador em exercício do Estado do Rio, ele abdicou das viagens ao interior. Ninguém é popular sendo gestor de um estado em crise permanente.

 

ELEIÇÕES

Não apenas as campanhas municipais deslancharão após as Olimpíadas. Número um da Confederação de Tênis de Mesa, Alaor Azevedo, está prestes a confirmar candidatura à presidência do COB. A eleição deverá ocorrer no final do ano e Carlos Arthur Nuzman já disse querer um novo mandato. 

 

ANTECEDÊNCIA

O estatuto da entidade exigiu que eventuais chapas fossem integralmente apresentadas até 30 de abril. Alaor entrou com ação na Justiça alegando que a antecedência de 6 meses inibia o surgimento de concorrentes. Obteve liminar na Justiça para o prazo de 30 dias e, enquanto aguarda a análise do mérito do processo, corre atrás dos indispensáveis votos.

 

Crônica

NOSSO MAIOR ATLETA

Gildo Sanches

       Neates tempos de Jogos Olímpicos, não há como esquecer aquele que para muitos foi o maior atleta que o Brasil já teve: Adhemar Ferreira da Silva.

       Nascido em São Paulocampeão olímpico e recordista mundial de salto triplo, foi o responsável pelo renascimento dessa modalidade esportiva.

Filho de ferroviário e lavadeira, ele não ficou rico com as conquistas e treinava apenas duas ou três vezes por semana, só na hora do almoço, pois trabalhava e estudava duro. Desde os 16 anos, fumava um maço de cigarros por dia, inclusive no tempo de suas maiores glórias, atitude impensável para os atuais atletas.

Adhemar começou a carreira atlética em sua cidade e interessou-se pelo salto triplo (1947) por influência de Ewald Gomes da Silva, atleta e dirigente são-paulino que mais tarde se tornou presidente da Federação Paulista e depois da Federação Brasileira de Atletismo.

Conquistou a primeira vitória aos vinte anos, logo após a estréia, quando alcançou a marca de 13,05m no salto triplo, numa evolução tão impressionante que levou o técnico alemão Dietrich Gerner a começar a falar em sucesso internacional e recorde mundial..

Foi duas vezes recordista sul-americano com 15,51m (1949) e 15,83m (1950), e bateu pela primeira vez o recorde mundial no estádio do Fluminense Futebol Clube, no Rio de Janeiro, com 16,01m (1951). Foi campeão pan-americano (1951) e campeão sul-americano (1952). Nas Olimpíadas de Helsinki, Finlândia (1952), conquistou a medalha de ouro ao bater o recorde olímpico e estabelecer duas novas marcas mundiais: 16,12m e 16,22m. Nos Jogos Pan-Americanos realizados no México (1955) obteve sua melhor marca: 16,56m, que permaneceu imbatível por cinco anos.

Conquistou mais uma medalha de ouro para o Brasil em Melbourne, Austrália (1956), ao estabelecer novo recorde olímpico, com 16,35m. Pentacampeão sul-americano e tricampeão pan-americano (1951,1955 e l959) e campeão luso-brasileiro, em Lisboa (l960), foi dez vezes campeão brasileiro, tendo mais de 40 títulos e troféus internacionais. Mesmo fracassando nos Jogos de Roma (1960), obteve o reconhecimento da torcida italiana, que o ovacionou dentro do estádio olímpico mesmo após a desclassificação.

Mais tarde, descobriu a causa do mau desempenho: estava com princípio de tuberculose. Praticamente um autodidata, revolucionou o salto triplo direcionando sua atenção para o segundo salto, até então apenas um impulso para o terceiro, e foi muito superior aos concorrentes durante anos. Escultor formado pela Escola Técnica Federal de São Paulo (1948), também se formou em Educação Física na Escola do Exército, Direito na Universidade do Brasil (1968) e Relações Públicas na Faculdade de Comunicação Social Casper Libero (1990).

Poliglota, foi Adido Cultural na Embaixada Brasileira em Lagos, Nigéria (1964-1967). Foi ator na peça Orfeu da Conceição (1956), de Vinicius de Moraes e no filme franco-italiano Orfeu do Carnaval (l962), que venceu o Oscar de melhor filme estrangeiro. Terminou a vida trabalhando para o Estado de São Paulo, organizando competições nacionais e internacionais de Atletismo. Recebeu (1993) o título de Herói de Helsinque, junto com Emil Zatopek. Foi agraciado pelo COB (2000), com o Mérito Olímpico. Sua última aparição pública foi na última edição da Maratona de São Silvestre, em São Paulo, na virada do ano, quando entregou os prêmios aos vencedores. Morreu vítima de parada cardiorrespiratória, em São Paulo e foi sepultado no Cemitério Chora Menino, da Zona Norte da capital paulista.

Evidentemente tivemos outros heróis olímpicos,porém, nenhum, apesar de suas qualidades, se assemelha a Adhemar Ferreira da Silva, com certeza.